Um bom trabalho

O The Good Project reuniu três grandes pensadores humanistas para definir o que é um bom trabalho. Esse é o tema do novo artigo de José Renato Domingues

O que é um bom trabalho?

Três grandes pensadores humanistas (Mihaly Csikszentmihalyi, William Damon e Howard Gardner) trabalharam juntos no Stanford Center for Advanced Studies, em 1996, e criaram o que é hoje conhecido como o The Good Project: uma pesquisa, vasta em campos de atividade (jornalismo, genética, teatro, negócios, educação, medicina, direito e filantropia, entre outros), que buscava identificar uma ação humana que agregasse valor em todo e qualquer aspecto em que fosse analisada, feita de forma colaborativa, criativa e que produzisse o bem, em sentido amplo.

Dois dos três fundadores do projeto são referências para mim. Acompanho Howard Gardner de perto desde os anos 1990 (publiquei um post no LinkedIn sobre ele). Sua abordagem das múltiplas inteligências foi a base para que Daniel Goleman aprofundasse o estudo e trouxesse para o mundo corporativo o conceito da inteligência emocional. Já Mihaly Csikszentmihalyi conheci na última década, quando estudei sobre flow e o uso dos estados alterados de consciência como instrumento de melhoria do desempenho. O flow é amplamente utilizado em empresas do Vale do Silício (como Google, Apple e Oracle), ensinado aos Seals (corpo de elite dos militares dos Estados Unidos) e popular entre estrelas da música, do cinema, da literatura e do esporte. A busca pelos estados de flow também entrou no mundo das startups, além de ser praticado em festivais como Burning Man e SXSW.

De 2010, quando a universidade de Harvard assumiu o The Good Project, até agora, muito conteúdo foi publicado a respeito do que é considerado um bom trabalho. Décadas de estudos levaram a uma síntese elegante e eloquente: um bom trabalho é, acima de tudo, feito com excelência, engajamento e ética. Nas palavras de Howard Gardner:

“Fazer as coisas de um jeito novo é fácil; chamamos isso de novidade. O que é desafiador é fazer as coisas de um jeito novo e de uma forma que seja, no final, aceito pelas pessoas; chamamos isso de criatividade. O que é mais desafiador ainda é fazer as coisas de um jeito novo, sendo ético e melhorando a condição humana; chamamos isso de um bom trabalho”. 

Como executivos e executivas de RH, como profissionais responsáveis por definir os parâmetros do que é alto desempenho nas empresas e, como líderes dos processos que avaliam os indivíduos, as equipes e a própria organização, definindo suas habilidades e competências, alinhando as pessoas em tornos de valores e propósitos que guiam a cultura, é nosso dever entender, praticar e divulgar os princípios do bom trabalho. 

Ao ver como são feitas as atividades na sua empresa, você identifica características de excelência, ou seja, elas são realizadas com proficiência, competência e maestria? Esses atributos são avaliados quando um projeto é finalizado? Há instrumentos que indicam que sua empresa faz o que faz de maneira única? E as pessoas, ao serem avaliadas e ao avaliarem o trabalho umas das outras, levam em conta essa constante busca por melhoria?

O trabalho que é feito na sua empresa proporciona significado às pessoas envolvidas com ele? A sua equipe, na área de pessoas, tem mecanismos frequentes de estímulo para que sejam criados momentos de reflexão, nos quais os profissionais possam desenvolver esse senso maior de impacto sobre o que fazem? E os KPIs da empresa medem o engajamento dos indivíduos e ajudam a proporcionar um ambiente mais estimulante e humano para todos?

Por fim, o quanto a sua empresa, os líderes que nela trabalham e os próprios empregados são conscientes dos impactos que a atividade empresarial tem sobre o meio ambiente, a sociedade e as comunidades, sobre os diversos públicos de interesse? Há mecanismos de avaliação sobre o quanto os produtos e os serviços afetam a vida de outros seres humanos? Esses impactos são positivos ou negativos? Constroem valor ou destroem valor? Se há impactos negativos, são mitigados? Como? Há consciência e uma comunicação clara sobre isso na empresa? Qual a narrativa dos profissionais quando são perguntados sobre esses temas? 

Fazer o bem, ou um bom trabalho, na definição adotada pelo The Good Project e que está sendo amplamente utilizada como referência no mundo dos negócios, é uma forma prática e eficiente de deixar nossa marca no mundo. Pelas mãos dos líderes de RH, eu identifico o maior potencial de instrumentos para isso e, consequentemente, a maior responsabilidade de fazê-lo.

Bom trabalho a todos!

José Renato Domingues
José Renato Domingues

É conselheiro, executivo e investidor anjo em startups. Atua como conselheiro de administração em grandes empresas e é vice-presidente corporativo na holding da CTG. Escreve sobre as mudanças na sociedade para a Think Work.

Comments on Um bom trabalho

  1. Janaina Maia disse:

    Parabéns pelo artigo, JR.
    As perguntas são ótimas provocações para que possamos buscar as respostas e, com isso, avaliar se o rumo que a empresa está levando, deixará a marca desejada no mundo dos negócios e no planeta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *