Ser mais alto ou baixo pode ter impactos na carreira

Preconceito relacionado à estatura influencia nas oportunidades de profissionais e em como eles serão avaliados, dizem estudos

Você já ouviu falar em “altismo”, ou seja, o preconceito relacionado à estatura? Pesquisas mostram que a estatura afeta a carreira tanto de homens quanto de mulheres.

Maiores alturas se correlacionam a rendas mais altas: recrutadores favorecem candidatos mais altos e a altura influencia as oportunidades de promoção.

Outras pesquisas apontam que enxergamos homens e mulheres mais altos como ‘líderes‘, considerando-os mais dominantes, inteligentes e saudáveis. Malcolm Gladwell, em seu livro Blink, de 2008, cita que, embora apenas 14,5% da população dos EUA tenha mais de 1,80 metros, entre os CEOs da Fortune 500, esse número é de 58%.

Segundo o Dr. Omer Kimhi, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Haifa, que pesquisa sobre o tema, o “altismo” tem raízes em vieses evolucionários, devido à importância da altura e da força no reino animal.

“Se você é maior, então você é o líder do grupo. Algo disso se mantém enraizado, e nós percebemos a altura como algo conectado à autoridade, à força e a posições mais acima”, disse ele em entrevista à BBC.

Além do preconceito relacionado à estatura, outras formas de discriminação no trabalho, como preterir funcionários por conta do peso ou favorecer aqueles que se encaixam no padrão de beleza, são ainda pouco discutidas – mas podem ter repercussões significativas na diversidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.