Detox digital: a volta dos tijolões 

Aumenta o número de pessoas que decidiram voltar para celulares mais simples em busca de um detox digital

Seja para economizar, por nostalgia ou para perder menos tempo no celular, o número de pessoas que estão trocando os smartphones por celulares analógicos está crescendo no mundo todo.

Segundo um relatório da empresa de software SEMrush, as pesquisas pelos celulares “tijolões” no Google aumentaram 89% entre 2018 e 2021. Em 2019, quando a venda desses aparelhos atingiu 400 milhões de unidades, a consultoria Counterpoint Research previa que 1 bilhão de celulares analógicos deveriam ser vendidos até o ano passado.

O benefício mais óbvio para quem troca seu smartphone por um telefone tijolinho é o uso saudável de redes sociais e maior qualidade de vida. Aplicativos como o TikTok, por exemplo, são criticados por serem viciantes demais para os jovens. Mas os adeptos citam outras vantagens, como baterias mais duradouras e aparelhos mais resistentes. 

Essa foi a percepção da jovem inglesa Robin West, 17, que contou à BBC sobre sua decisão de trocar o smartphhone por um celular simples, de apenas 8 libras. Além de gastar menos com a mensalidade, já que não consome internet no celular, ela relata melhora de qualidade de vida depois do detox digital.

“Eu não tinha percebido, até ter comprado um ‘tijolão’, o quanto o smartphone estava tomando conta da minha vida”, disse. “Eu tinha muitos aplicativos de redes sociais nele e não conseguia ser tão produtiva já que eu estava sempre no celular”. Para ela, a decisão é sem volta, já que sente que o “tijolão”, ao contrário de celulares mais sofisticados, não a limitaria tanto, em suas palavras.

De fato, diante da dificuldade de se desligar de notificações das redes sociais e do trabalho, essa pode ser a saída que muitos enxergeram para ter mais equilíbrio. Manter os limites e resistir aos apelos da vida online está cada vez mais desafiador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.