Para incentivar o home office, o Slack está pedindo que seus executivos deixem de ir ao escritório com frequência

A ideia é que os líderes encorajem os funcionários a trabalharem remotamente, dando eles próprios o exemplo.

O Slack, popular aplicativo de comunicação corporativa, está dizendo aos seus executivos para que eles deixem de ir ao escritório com tanta frequência. A ideia é que os líderes encorajem os funcionários a trabalharem remotamente, dando eles próprios o exemplo de ficar em home office.

Segundo o CEO do Slack, Stewart Butterfield, a companhia também não terá mais andares dedicados aos executivos e os gestores terão de focar seu tempo no escritório em atividades que envolvam integração entre as equipes ou reuniões com clientes. A orientação do Slack é que os líderes não passem mais de três dias trabalhando presencialmente.

“Reunir as equipes pessoalmente deve ter um propósito, como treinamentos, lançamento de projetos e outros eventos planejados com antecedência, combinando flexibilidade com previsibilidade”, disse Butterfield à CNN.

Segundo o executivo, entre outras mudanças que a empresa realizará estão:

• Mudar a mentalidade de jornada de trabalho das 9h às 17h, cheia de reuniões desnecessárias.

• Embora sempre atendam às necessidades daqueles que precisam de espaço individual, o escritório será centrado na equipe e no cliente. A empresa terá que experimentar e redesenhar o espaço para ser um local de trabalho mais flexível e baseado em atividades colaborativas.

• Todos os funcionários terão uma equipe “local” com a maior parte do turno de trabalho vinculadas a um mesmo fuso horário. Também devem existir acordos em nível de equipe que combinem algumas janelas de tempo livre.

Em muitas empresas, o recado tem sido o contrário: o chamado é para que os líderes retornem aos escritórios para incentivar os funcionários a fazerem o mesmo. Quem está certo? Quem melhor alinhar a prática com a cultura corporativa e o perfil dos trabalhadores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *