Tem menos gente nascendo no mundo. E isso é um problema para governos e empresas

Em Seul, na Coreia do Sul, o governo passou a oferecer bonificações e tratamentos de fertilidade para aumentar o número de bebês no país

Maternidades fechando, cidades fantasmas surgindo e universidades sem jovens o suficiente para abrir turmas. Esse será nosso futuro, segundo as previsões demográficas. Há menos gente nascendo no mundo – até mesmo em países superpopulosos, como China e Índia. O número de bebês chineses nascidos em 2020 foi o menor desde 1961. E os indianos já contam com uma média abaixo de 2,1 filhos por família.

A taxa de fertilidade das americanas na faixa dos 20 anos caiu 28% desde 2007. Como consequência, o crescimento da população dos Estados Unidos é o mais lento desde os anos 1930.

A explicação não é novidade: com mais acesso à educação e aos métodos contraceptivos, as mulheres estão adiando a gravidez.

Porém, uma das curiosidades é que antes esse comportamento era comum entre aquelas das classes média e alta, agora está se tornando uma escolha generalizada. E as mulheres postergam mais a gravidez em lugares economicamente desenvolvidos. Nos condados urbanos que mais criaram empregos desde o período da Grande Recessão, por exemplo, a taxa de natalidade caiu duas vezes mais rápido do que naqueles rurais e menores.

Alguns países já começam a sofrer com a falta de habitantes. Seul, na Coreia do Sul, onde há menos de um filho por mulher, é um deles. Tanto é que, por lá, o governo passou a oferecer bonificações e tratamentos de fertilidade para aumentar o número de bebês no país.

Por um lado, um planeta com menos pessoas alivia a pressão sobre os recursos naturais e desacelera a mudança climática. Porém, ter mais idosos e menos jovens em idade produtiva é um problema para a economia. Discutir a inserção dos mais velhos no mercado de trabalho é fundamental. Os dados também mostram que, apesar dos avanços nos programas de diversidade, as mulheres ainda enxergam carreira e maternidade como escolhas antagônicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *