De pagamento de multas a auxílio para funcionários que querem mudar de estado: como as empresas americanas estão lidando com a lei anti-aborto do Texas

Embora maioria das companhias ainda queira se distanciar de questões políticas, a nova lei do Texas obrigou que muitas se posicionassem. Uber, Salesforce e Bumble foram algumas delas

O estado do Texas aprovou recentemente uma das mais restritivas leis em relação ao aborto dos Estados Unidos. A nova regra proíbe a interrupção da gravidez depois da sexta semana de gestação — sem exceções, como para casos de estupro ou incesto.

A legislação tem uma consequência inusitada. Segundo especialistas, uma brecha na lei pode fazer com que qualquer pessoa seja processada por (consciente ou inconscientemente) encorajar a “realização ou indução de um aborto”. Essa relação poderia afetar desde grupos no Facebook até motoristas de aplicativo que transportassem passageiras para realizar o procedimento.

Uma semana após a publicação da lei, as plataformas Lyft e Uber declararam que cobririam as multas que os motoristas do Texas viessem a receber. Já as donas dos aplicativos de namoro Bumble e Match criaram um fundo para apoiar funcionários e dependentes que morem no Texas e decidam realizar um aborto em outro estado.

A Salesforce foi outra companhia que se comprometeu a ajudar os funcionários e suas famílias a se mudarem caso estejam preocupados com a possibilidade de buscar cuidados reprodutivos, depois que uma lei de aborto do Texas entrou em vigor.

“Essas são questões incrivelmente pessoais que afetam diretamente muitos de nós – especialmente as mulheres. Reconhecemos e respeitamos que todos temos perspectivas profundas e diferentes. Como empresa, estamos com todas as nossas mulheres na Salesforce e em todos os lugares”, disse a companhia de tecnologia em um comunicado para os funcionários no Slack, a mensagem foi obtida pela CNBC.

A possibilidade de gigantes como Facebook ou Uber serem processadas por um assunto amplamente discutido na sociedade só mostra como os negócios estão conectados com o mundo que nos cerca — apesar do esforço das empresas de se afastarem dos temas polêmicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *