Na guerra, o uso de reconhecimento facial

Tecnologia vem sendo usada para reconhecer mortos na guerra

A guerra está ficando cada vez mais tecnológica. O governo da Ucrânia está usando reconhecimento facial para identificar soldados russos mortos e informar suas famílias.

“Como cortesia para as mães desses soldados, estamos divulgando informações nas redes sociais para que aos menos as famílias saibam que perderam seus filhos, e para que possam vir buscar os corpos”, declarou à agência internacional de notícias Reuters o vice primeiro-ministro ucraniano Mykahilo Fedorov.

Isso vem sendo feito através do controverso aplicativo Clearview AI. A ferramenta identifica pessoas usando imagens extraídas da internet, como redes sociais, criando um banco de dados pesquisável, sem a autorização dos indivíduos. Para identificar alguém, basta carregar uma foto e a plataforma da Clearview busca a pessoa correspondente. No caso da Ucrânia, as autoridades identificam os combatentes mortos através do aplicativo e divulgam as informações em mídias sociais.

Segundo a Clearview informou à Reuters, o banco de dados do aplicativo reúne fotos das pessoas, seus amigos e família, incluindo 2 milhões de fotos retiradas da rede social russa VKontakte, para fazer o reconhecimento facial. Ele também estaria sendo usado para identificar potenciais russos infitrados tentando entrar na Ucrânia.

Esse não é o único uso polêmico da platforma. Entre os clientes da Clearview, estão departamentos de polícia e agências federais, mas investigações também mostraram que a empresa também deu acesso à sua plataforma a grandes varejistas como Walmart e Macy’s, a escolas e até à NBA, conforme reportou a Business Insider.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.